inicial   insustentável leveza   produção artística   produção acadêmica   biografia   contato
 

 

 
insustentável leveza recife

A CAIXA CULTURAL RECIFE inaugura no dia 12 de dezembro de 2013, às 19h, a exposição "Insustentável Leveza" que reúne sete trabalhos apresentados na forma de uma videoinstalação da artista plástica baiana Giovana Dantas. A mostra fica em cartaz até 09 de fevereiro de 2014, com entrada franca e patrocínio da Caixa Econômica Federal.

A exposição "Insustentável Leveza" teve sua primeira montagem no Palacete das Artes, em Salvador, 2010, com apoio do Prêmio Matilde Matos da Fundação Cultural do Estado da Bahia. O projeto foi realizado na Caixa Cultural de São Paulo, de setembro a outubro de 2013 e agora acontece em Recife, de dezembro a fevereiro de 2014. Tratando-se de uma videoinstalação, a mostra dialoga com cada espaço onde é realizada.

Giovana iniciou este projeto quando foi contemplada com o Prêmio de Residência Artística do Instituto Sacatar (Ilha de Itaparica-BA), em junho e julho de 2010. A artista já havia realizado uma exposição anterior, Imanências do Mar, também produzida no Instituto Sacatr em 2008.

Insustentável Leveza reúne sete trabalhos que integram uma videoinstalação. Nesta mostra a artista chama a atenção para movimentos produzidos pelo vento e pela água em certos objetos, que vão se apresentar nas imagens em vídeo como metáforas de dois aspectos aparentemente opostos da vida cotidiana: "peso" e "leveza". Giovana dialoga com o texto de Milan Kundera, "A insustentável leveza do ser", buscando não uma interpretação, releitura, ou ilustração do romance, mas um alinhamento de idéias, tomando a relação peso-leveza como um princípio do trabalho. As imagens dos cata-ventos foram capturadas por ela em janeiro de 2010, numa pequena vila do município de Aracati, interior do Ceará. "Aqui, peso e leveza aparecem não como oposição, mas como paradoxo, que nos impõe uma relação tensionada pela impossibilidade de um ou outro existir isoladamente".

 

insustentável leveza

Seu drama não era o drama do peso, mas da leveza.
O que se abatera sobre ela não era um fardo,
mas a insustentável leveza do ser.

Her drama was not of heaviness, but of lightness.
What fell to her lot was not the burden,
but the unbearable lightness of being.

Milan Kundera

 

 

a instigante arte de giovana dantas

Nos caminhos e descaminhos de hegemonias estéticas que rondam a arte contemporânea, a linguagem visual de Giovana Dantas se destaca pela coerência da artista em expressar suas ideias com clareza, sem sacrificar a atração do resultado, nos sete trabalhos que compõem “Insustentável Leveza”. O tema não podia ser mais instigante: Giovana realça o valor intrínseco do peso e da leveza, contrariando o uso habitual dessas palavras como metáforas do bom e do ruim, sempre recorrentes, a partir da classificação aplicada à própria vida. [...] Além da coerência, a aparente afinidade de Giovana com o vídeo assegura a transformar suas ideias na imponderável leveza da sua arte.


The instigating art of Giovana Dantas

In the ups and downs of esthetic hegemonies that surround contemporary art, Giovana Dantas’ visual language is noteworthy for the artist’s consistency in expressing her ideas clearly, without sacrificing the appeal of the result, in the seven works that comprise “Insustentável Leveza”. The theme could not be more instigating: Giovana highlights the intrinsic value of heaviness and lightness, counteracting the common use of these words as metaphors of good and bad, always recurring, from the classification applied to life itself. […] Apart from consistency, Giovana’s apparent affinity with video art enables her to turn her ideas into the imponderable lightness of her art.

 

Matilde Matos
Assoc. Brasileira de Críticos de Arte
Assoc. Internacional de Críticos de Arte


sobre a insustentável leveza

Destaco movimentos produzidos em certos objetos pelo vento e pela água, que vão se apresentar nos vídeos como metáforas de dois aspectos da vida cotidiana: “peso” e “leveza”. Para Kundera, “Quanto mais pesado é o fardo, mais próxima da terra está nossa vida, e mais real e verdadeira ela é. [...] Em compensação, a ausência total de fardo leva o ser humano a se tornar mais leve do que o ar, leva-o a voar, a se distanciar da terra, do ser terrestre, a se tornar semirreal, e leva seus movimentos a ser tão livres como insignificantes. [...] A contradição pesado/leve é a mais misteriosa e a mais ambígua de todas

as contradições”. Penso que a relação peso-leveza se distancia do tradicional dualismo – situação em que ambas as naturezas se revelam sem interseções. Aqui, peso e leveza vêm não como oposição, mas como paradoxo, que nos impõe uma relação tensionada pela impossibilidade de um ou outro existir isoladamente. Vêm instaurando um entre-espaço de reflexão, de potência, de construção e de geração de sentido. Visito o romance “A insustentável leveza do ser”, de Milan Kundera, buscando não sua interpretação, ou releitura, ou ilustração, mas um alinhamento com suas ideias, tomando a relação peso-leveza como um princípio do trabalho, no qual importa muito mais a concepção e ação direta das imagens sobre o espectador, de modo que o faça desviar o fluxo comum do pensamento e aderir a novas percepções através da observação da obra visual/sonora, em primeira instância.


About Unbearable Lightness

I highlight movements produced on some objects by the wind and water, which are shown in the videos as metaphors for two aspects of daily life: “heaviness” and “lightness”. To Kundera, “The heavier the burden, the closer our lives come to the earth, the more real and truthful they become. [...] Conversely, the absolute absence of burden causes man to be lighter than air, to soar into heights, take leave of the earth and his earthly being, and become only half real, his movements as free as they are insignificant. [...] The opposition heavy-light is the most mysterious and most ambiguous of all opposition”. I believe that the heaviness-lightness relationship distances from traditional dualism – a situation where both natures are revealed without intersections. Here, heaviness and lightness come not as opposition, but as paradox, imposing upon us a relationship strained by the impossibility of one or the other to exist in isolation. They come, establishing an “in-between” space of reflection, of power, construction and generation of meaning. I visit Kundera’ text “The Unbearable Lightness of Being,” not seeking an interpretation, a re-reading or illustration of this novel, but a correlation of ideas, taking the heaviness-lightness relationship as a work principle, in which what matters most is the conception and direct action of the images on the spectators, making them, first of all, cast aside the common flow of thought and adopt new perceptions through the observation of the works involving images and sound.

Giovana Dantas
Artista curadora

 


a exposição insustentável leveza

A exposição "Insustentável Leveza" é resultado do Prêmio de Residência Artística do Instituto Sacatar (Ilha de Itaparica-BA), pelo qual Giovana, que foi contemplada também em 2008 com o Projeto "Imanências do Mar", desenvolveu seu novo projeto – "Insustentável Leveza", em junho e julho de 2010. Este projeto reúne sete trabalhos que integram uma vídeoinstalação, que ocupará as Galerias Florisbela e Octogonal. Nesta mostra a artista chama a atenção para movimentos produzidos pelo vento e pela água em certos objetos, que vão se apresentar nas imagens em vídeo como metáforas de dois aspectos opostos da vida cotidiana: "peso" e "leveza". No entanto, "o peso pode nos revelar uma face: a de nos colocar de frente à nossa própria história que é tomada com firmeza e se torna elemento suscetível a mudanças que podemos operar. A leveza por outro lado, pode nos induzir ao estado de letargia", afirma a artista.

Giovana dialoga com o texto de Milan Kundera, "A insustentável leveza do ser", buscando não uma interpretação, releitura, ou ilustração do romance, mas um alinhamento de idéias, tomando a relação peso-leveza como um princípio do trabalho. A artista ressalta a ação direta das imagens que compõem a exposição sobre o espectador de modo que ele desvie o fluxo pensamento e possa aderir a novas percepções através da observação da obra visual-sonora em primeira instância e da participação ativa com algumas obras.

Para compor a idéia de peso e leveza nesta mostra, Giovana vai utilizar a imagem em movimento, que apresenta uma suposta leveza, como princípio que compõe a base do trabalho. As imagens dos cata-ventos foram capturadas por ela em janeiro de 2010, numa pequena vila do município de Aracati, interior do Ceará, outras foram produzidas em Salvador e durante o seu período de residência artística no Instituto Sacatar. Segundo Giovana, "Neste trabalho, a relação peso-leveza se distancia do tradicional dualismo - situação em que ambas as naturezas se revelam sem interseções. Aqui, peso e leveza aparecem não como oposição, mas como paradoxo, que nos impõe uma relação tensionada pela impossibilidade de um ou outro existir isoladamente". Sobre a ocupação espacial da mostra, Mello aponta: "A videoinstalação integra a busca da arte de reorganização do espaço sensório. Uma dessas manifestações, a da arte ambiental, tão bem conceituada por Hélio Oiticica nos anos 1960, diz respeito à saída do plano material para o plano vivencial, do plano pictórico e escultórico para o plano da ação artística". (MELLO, Christine. Extremidades do vídeo, p. 169)


a experiência da residência artística

O Instituto Sacatar administra um programa de residência para artistas do mundo inteiro e em qualquer disciplina. Ele tem uma parceira, a Sacatar Foundation, uma entidade norte-americana sem fins lucrativos, que financia as atividades realizadas no Brasil. Na sua sede à beira-mar, na Ilha de Itaparica, na Bahia, o Instituto recebe uma diversidade de artistas, selecionados através de projetos.

A oportunidade de imersão oferecida por um programa de residência artística tem sido uma condição de produção muito especial para quem se aventura na arte. Uma experiência como esta traz a possibilidade da desaceleração do tempo, da observação e da concentração no trabalho. As residências funcionam lugares de acolhimento para os processos, oferecendo oportunidades de diálogo com outros artistas.

"No Instituto Sacatar, compartilhei a casa com quatro escritores de língua inglesa. A princípio pensei que as trocas se dariam superficialmente, pois não estavam diretamente ligados às artes visuais. Só que me enganei. Eles participaram dos processos, me apoiando nas filmagens e externando ideias que muito influenciaram meu processo. Em especial, destaco a parceria de Jamie Diamond, "a noiva do mar".




as obras apresentadas

 

paiero

Vídeo produzido na vila de Baiacu, uma pequena comunidade de pescadores da contracosta da Ilha de Itaparica, na Bahia. No vocabulário local, "paieiro", palavra que é um desvio de "palheiro", trata-se de uma casinha de palha ou madeira que fica junto ao mar, na praia, e onde se guarda os materiais da pesca: remos, redes, lamparinas. Por isso também guarda a memória, os fazeres e os saberes que passam de pai para filho.

     
  mar absoluto

Imagem em movimento da água do mar, num momento de turbulência, que se multiplica em câmera lenta numa caixa, uma máquina primitiva criada como um jogo de reflexões no espelho.

     
  insustentável leveza II
Um tecido muito transparente que recobre um prédio em construção se movimenta levemente com o vento, constrastando com o ambiente pesado da obra. Os carros passam na rua com suas buzinas estridentes, mas a leveza do véu contagia o espaço urbano naquele momento.
     
  van gogh e o vento

Este vídeo tem a simplicidade de ser uma animação realizada a partir da obra "Le Moulin de La Galette", de Vincent van Gogh - uma prática da arte contemporânea que implica a apropriação de estilos e de formas.
     
  giro

Sensação de movimento, pela projeção de fotos sequenciadas de um cata-vento localizado em Aracati, no interior do Ceará. Os movimentos são de alternância e o giro nunca se completa.
     
  desigual-em-si:
algo sobre o tempo

Videoinstalação interativa composta por dois projetores, apontados para direções diversas com imagens em movimento de durações, sentidos do giro e andamentos variáveis, de um velho cata-vento de madeira. Neste espaço temos a sensação de uma desconexão do tempo.

     
  insustentável leveza I
Obra constituída por uma imagem em movimento de uma mulher vestida de noiva, se deslocando na superfície da água do mar de Itaparica.






Matéria Programa Soterópolis TVE-BA
 



serviço

Insustentável Leveza (videoinstalação da artista Giovana Dantas)

Local: CAIXA Cultural Recife, Praça do Marco Zero

Abertura: 12 de dezembro (quinta), às 19h

Visitação: 13 de dezembro de 2013 a 02 de fevereiro de 2014

Horário de visitação:  terça-feira a domingo, das 10h às 19h

Coordenação técnica: Mzad Eventos e Locação de Equipamentos Ltda ME

Produção executiva: MCM Produções Artísticas Ltda ME

website e edição de imagens: Marcos Zurck

Patrocínio: Caixa Econômica Federal

Coordenação geral: Claudine Toulier- 71 9989-4662 / 8122-6662
claudinetoulier@gmail.com

 

catálogo recife   catálogo são paulo



insustetável leveza - Recife

 



insustetável leveza - São Paulo

 

 

 

 



Copyright 2013 - Giovana Dantas - Todos os direitos reservados